Prematuridade: como se prevenir?

A prematuridade é um dos assuntos que traz muita preocupação para mães e pais de primeira viagem ou não. E a tensão tem sua razão de ser: você programa cuidadosamente o nascimento de seu filho e espera que tudo ocorra do jeito que planejou, não é mesmo?

No entanto, o que você não planeja, a menos que haja complicações precoces que apontem para a possibilidade de um parto prematuro, é que seu bebê poderá chegar mais cedo do que o programado.

Quando um imprevisto como esse acontece, é natural perguntar:

Por que isso aconteceu? O que eu poderia ter feito para evitar que o meu bebê nascesse antes da hora?

Bom, nem todas as causas de nascimentos prematuros podem ser explicadas. No entanto, existem certos cuidados que você pode adotar para evitar a prematuridade.

Para ajudar nesse tipo de situação, no post de hoje, daremos algumas dicas para ajudar você diminuir as possibilidades de ter um parto prematuro. Acompanhe!

Como posso prevenir a prematuridade?

Sabia que a maioria dos casos de nascimentos de crianças prematuras, que podem trazer sequelas graves, poderiam ter sido evitados? De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), em todo o planeta, 15 milhões de bebês nascem antes da hora por ano. Ou seja, aproximadamente 10% do total de nascimentos. Desse total, ainda conforme a entidade, mais de 1 milhão vai a óbito. Entretanto, a boa notícia é que devido ao desenvolvimento da Medicina, avanço das tecnologias e ainda dos cuidados específicos da assistência obstétrica e neonatal o restante desses bebês sobrevivem.

No dia em que se comemora o Dia Mundial da Prematuridade (17 de novembro) deixamos, neste artigo, às gestantes alguns conselhos práticos para a prevenção de um parto prematuro.

1.Consulte o seu médico periodicamente durante a gravidez

Atualmente, o acompanhamento pré-natal com uma abordagem múltipla dos vários cenários possíveis do nascimento do prematuro é uma ótima ferramenta para controlar os fatores de risco envolvidos em uma gravidez.

Esse acompanhamento, se realizado por um bom profissional e com regularidade recomendada, pode auxiliar não só na detecção de fatores de risco, mas também na prevenção de problemas mais graves que podem acontecer próximo do momento do parto.

E lembre-se: quanto mais tempo for possível estender a gravidez, maiores as chances de sobrevida do bebê. Dessa forma, diminuindo os riscos de sequelas.

2.A importância do repouso

Sabia que situações rotineiras onde a gestante é submetida diariamente ao estresse físico e emocional favorecem o parto prematuro? Por isso, é imprescindível que a gestante priorize o repouso orientado no pré-natal.

3.Cuide de doenças crônicas

Se você tem uma doença crônica (doença cardíaca, diabetes, pressão alta ou doença autoimune), converse com seu médico para garantir que ela seja bem controlada durante toda a sua gravidez.

Além disso, o tratamento dessas doenças antes de engravidar a manterá saudável e poderá reduzir a chance de um parto prematuro.

4.Sua saúde mental

Mulheres estressadas ou deprimidas parecem estar em maior risco de dar à luz prematuramente, mas não está claro o porquê. “Pode ser porque elas são menos propensas a levar estilos de vida saudáveis”.

O bem-estar mental é difícil de ser avaliado, principalmente, porque todos temos limiares de estresse diferentes. Mas, alguns fatores relacionados ao sofrimento psicológico também foram associados ao parto prematuro. Por isso, cuide da sua saúde mental sempre!

5.Tabagismo

Fumar durante a gestação prejudicará o crescimento do bebê e aumentará a probabilidade de problemas durante a gravidez. O cigarro tem sido associado ao parto prematuro. Ou seja, e quanto mais você fuma, maior a probabilidade de ter seu bebê prematuramente.

Portanto, parar de fumar é um dos passos mais positivos que você pode tomar para reduzir o risco de seu bebê nascer antes da hora.

Sintomas que podem levar a um parto prematuro

Você deve estar atenta aos seguintes sintomas que podem indicar um parto prematuro:

  • • sangramento vaginal com coloração em vermelho vivo;
  • • pressão em região pélvica;
  • • febre;
  • • inchaço das mãos e rosto;
  • • mudança na secreção vaginal;
  • • incômodo para urinar;
  • • vômito frequente;
  • • dor na região lombar e;
  • • pressão na região pélvica.

 
Vale lembrar que, existem diferentes níveis de prematuridade e, geralmente, o risco aumenta quanto mais cedo o nascimento acontece. Ou seja, bebês de maior risco são os nascidos antes da 28ª semana de gestação.

 O que você deve fazer se houver risco de parto prematuro?

Bom, nesse caso, você deve ir a uma unidade especializada em gestações de alto risco.

Como funciona uma unidade especializada?

Na maternidade especializada em gestação de alto risco, os médicos especializados em parto prematuro individualizam o cuidado da gravidez com base nos fatores de risco apresentados pela gestante.

Não deixe de assistir o vídeo abaixo. Nele, você vai encontrar mais informações sobre a prevenção do parto prematuro.

Campanha Mundial da Prematuridade

Espero que você tenha gostado do nosso artigo sobre dicas de prevenção sobre a prematuridade. E se você quiser saber mais sobre esse assunto, continue acompanhando o nosso blog! E não deixe de baixar agora mesmo o nosso ebook com tudo sobre prematuridade!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *