O que fazer quando romper a bolsa?

Quando a bolsa estourar, sem motivo para pânico

Nas novelas e nos filmes, o rompimento da bolsa da gestante quase sempre instala uma crise imediata. Fora da ficção, esse momento não é motivo para desespero. É claro que se trata de um importante sinal do trabalho de parto, com o vazamento do líquido amniótico. O parto não acontecerá até que o colo do útero esteja completamente dilatado, o que pode demorar até 12 horas após o início das contrações ritmadas.

“Não precisa vir desesperadamente para o hospital, especialmente se o líquido amniótico estiver claro. O líquido parece água de coco. Ele não é transparente como a água mineral, tem uns filetinhos esbranquiçados, que a gente chama de grumos (uma gordurinha da pele do bebê). Se o líquido tiver essa aparência, a gestante pode tomar um banho, pegar a mala e vir para a maternidade calmamente”, explica Ana Cristina Palmieri, coordenadora de enfermagem do Centro Obstétrico do Hospital e Maternidade Santa Joana.

No entanto, se o líquido amniótico estiver com outra coloração, a mulher deve procurar ajuda imediatamente. “Se o líquido está esverdeado, é provável que contenha mecônio (o bebê evacuou no líquido). Nessa situação, ela não deve esperar muito, porque isso pode indicar que o ambiente uterino não está adequado ao bebê. A oxigenação que ele recebe não está como deveria ser”, acrescenta.

Em alguns casos, a bolsa pode não romper. “Pode acontecer de ela já estar com contrações ritmadas, chegar até o finalzinho do trabalho de parto e, aí, romper a bolsa. Ou ela pode romper sem contrações. Isso não tem uma regra. Nesse caso, o próprio médico pode romper a bolsa”, finaliza.

A confiança no obstetra e em toda equipe médica é fundamental. Procure ficar o mais tranquila possível. Em breve, você estará com seu bebê em seus braços.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *