Serviços Santa Joana

Centro de Endometriose

Tamanho do Texto:

Uma das mais recentes estruturas do Grupo Santa Joana é nosso Centro de Endometriose. Localizado no bairro do Ibirapuera, o novo centro foi idealizado para oferecer diagnóstico preciso e tratamento adequado para mulheres que sofrem com essa importante doença ginecológica.

Com alta incidência na população feminina, a endometriose é caracterizada pela presença do endométrio (camada interna do útero) fora da cavidade uterina, causando dor pélvica, cólicas menstruais e outros desconfortos, além de ser uma das principais causas de infertilidade feminina.

No Centro de Endometriose Santa Joana, uma equipe altamente especializada em diagnóstico por imagem é responsável pela avaliação das pacientes, realizando exames de ultrassom no próprio local.

Outra equipe de grande experiência conduz o tratamento, que na maioria das vezes pode ser realizado por meio de procedimentos minimamente invasivos, como a laparoscopia ginecológica. Os procedimentos cirúrgicos necessários são realizados no Hospital e Maternidade Santa Joana, que dispõe de salas cirúrgicas inteligentes especialmente concebidas para esse tipo de intervenção.

O novo Centro de Endometriose Santa Joana veio preencher uma importante lacuna no campo da saúde da mulher. Em muitos casos, a falta de uma abordagem adequada do problema pode levar mulheres a conviver com a endometriose por vários anos, comprometendo sua qualidade de vida e o desejo de ser mãe. O Centro de Endometriose Santa Joana tem a estrutura para resolver esse problema.



*Atendimento por reembolso. Consulte seu convênio.



PERGUNTAS E RESPOSTAS

O que é endometriose e por que ela acontece?

A endometriose é caracterizada pelo surgimento do endométrio, mucosa que reveste o útero internamente, fora da cavidade uterina. Em 90% dos casos acomete a região pélvica, mas pode surgir na porção superior do abdome, em 10% das pacientes, e mais raramente na região do tórax. Infelizmente, as causas que levam à endometriose ainda não foram totalmente desvendadas pela ciência, embora existam diversas teorias, não há uma conclusão que justifique sua origem.

Quais os principais sintomas da doença?

Como a localização mais comum é na região pélvica, frequentemente os sintomas são nesta região, como cólica menstrual, dor na relação sexual (dispareunia de profundidade),Há vários tipos de dispareunia, na Endo é principalmente a de profundidade, portanto é importante ressaltar à profundidade. sensação de pontada no baixo ventre, distensão do abdome inferior, alterações na evacuação ou na micção, movimentos de gases intestinais dolorosos, sintomas digestivos semelhantes à gastrite, constipação intestinal, entre outros. Raramente a endometriose determina dores contínuas, mas, quando isto ocorre, há uma intensificação na fase pré-menstrual, durante a menstruação e, algumas vezes, no período da ovulação, no meio do ciclo menstrual. Entretanto, se a endometriose estiver localizada em outras regiões, podem surgir reações e repercussões em diferentes partes do corpo e sistemas do organismo, alterando seu funcionamento e provocando inflamações no local com o consequente surgimento de lesões, que podem ser de diferentes tamanhos, aspectos e profundidades. Nesses casos, o processo inflamatório pode aparecer acompanhado de fadiga crônica ou cansaço intenso, que não é reparado por um período de sono adequado. Em casos raros, quando a doença surge na região alta do abdome superior, em especial no diafragma direito, os sintomas podem ser caracterizados por dores no pescoço, ombro, face lateral do antebraço e braço, intensificados também durante os períodos pré-menstrual, menstrual e ovulatório.

Quais perfis de mulheres estão mais propensas a desenvolverem o problema?

Provavelmente é o da mulher contemporânea, que vai engravidar mais tarde e ter um ou dois filhos. Antigamente, as mulheres iniciavam a vida materna cedo e, não raro, chegavam aos 30 anos com quatro, cinco ou mais filhos, passando um longo tempo gestando e amamentando. Tanto o período da gestação quanto o da amamentação causam um bloqueio ao estímulo de crescimento da lesão endometriótica, então essas mulheres passavam boa parte da vida reprodutiva com a doença estagnada. Hoje, as mulheres com propensão para desenvolver a enfermidade terão maior impacto e consequências para a saúde decorrentes do problema, que se manifestará de forma mais frequente, intensa e agressiva.

Qual a relação da endometriose com infertilidade?

A endometriose é de longe a causa mais frequente de infertilidade, representando cerca de 50% ou mais dos casos. Ela causa um processo inflamatório que pode alterar o funcionamento dos ovários, interferindo na qualidade da ovulação, na fecundidade do espermatozoide com o óvulo, no percurso do ovo (produto da união do óvulo com o espermatozoide) e na aderência do ovo na cavidade uterina, processo que determina o desenvolvimento da gestação. Se o diagnóstico for de endometriose profunda, que é a forma mais grave da doença, o sistema reprodutor feminino pode sofrer danificações mais severas com o tempo, resultando no acometimento das trompas e impedindo a união do óvulo com o espermatozoide.

Quais as recomendações para tratar o problema?

Cada caso deve ser analisado individualmente por um médico especialista no problema. Ainda não existe um tratamento com medicamentos aqui diz respeito a tratamento medicamentoso, não cirúrgico, portanto tem que colocar tratamento com medicamentos e não simplesmente tratamento que cure a endometriose, que é uma doença benigna silenciosa. Quando os sintomas interferem na qualidade de vida, na capacidade de engravidar ou ambos os casos, o que é muito frequente, podem ser prescritos medicamentos que agem no bloqueio de hormônios que cessam o ciclo menstrual, agindo indiretamente no problema e aliviando ou suprimindo os sintomas. Porém, a única forma de eliminar a doença é extraindo as lesões cirurgicamente, mas nem sempre é necessário ou possível. Quando indicado a cirurgia pode eliminar as lesões e consequentemente a doença na maioria dos casos.

Temos dados sobre quantidade de mulheres
que sofrem de endometriose no Brasil?

Em todo o mundo, estima-se que cerca de 7% a 15% das mulheres em idade reprodutiva são afetadas pela doença. No Brasil, a estimativa é de aproximadamente 20 milhões de mulheres com alguma forma de endometriose. Felizmente, a maioria não necessita de tratamento e menos de 50% dos casos afetam a fertilidade.

[Segundos dados divulgados recentemente na imprensa, são 6,5 milhões de mulheres:http://g1.globo.com/globo-news/jornal-globo-news/videos/v/endometriose-atinge-65-milhoes-de-brasileiras-especialista-tira-duvidas/6594324/].

Os primeiros relatos da doença datam de 1580 anos antes de Cristo, configurando a endometriose como uma das enfermidades mais antigas da humanidade. Infelizmente, sua origem permanece desconhecida e a história natural da doença é extremamente variável, o que dificulta sua identificação e as estratégias de tratamento uniformizados, muitas vezes ineficientes. Houve uma melhora gradativa do diagnóstico nos últimos 20 anos com a introdução de exames de imagem e mapeamento das lesões, mas ainda há um longo caminho a percorrer. Provavelmente, a endometriose é a doença com maior impacto na qualidade de vida da mulher e, consequentemente, na sociedade contemporânea.

Centro de Endometriose Santa Joana
Avenida República do Líbano, 708
Fone: (11) 3051-8042