Serviços Santa Joana

Centro de Assoalho Pélvico

Tamanho do Texto:

O Centro de Incontinência Urinária e Doenças do Assoalho Pélvico do Hospital e Maternidade Santa Joana acolhe mulheres com incontinência e outras doenças uroginecológicas relacionadas ao assoalho pélvico. Sob a coordenação do ginecologista e mastologista dr. Carlos Del Roy, o serviço oferece exames, consultas e tratamento clínico ou cirúrgico da perda de urina e das distopias genitais a partir de um atendimento multidisciplinar – abrangendo também a atuação de fisioterapeutas especializados, além de todo o cuidado de enfermagem e o apoio psicológico, sempre que necessário.

O que é assoalho pélvico?

O assoalho pélvico é o conjunto de músculos, ligamentos e tecidos que sustenta os órgãos localizados na parte inferior do abdome, popularmente conhecido como bacia, que compreende a bexiga, o útero, o reto e o intestino. Além de promover a sustentação de órgãos pélvicos, a função dos músculos do assoalho pélvico é atuar no funcionamento correto da uretra e do reto, servindo como válvulas de fechamento. Quando enfraquecidos, lesados ou em hiperatividade, podem ocasionar a incontinência, ou seja, vazamentos involuntários de urina ou fezes.


Como ocorre a incontinência urinária

Normalmente, os escapes urinários são notados quando há a necessidade de tossir, de espirrar ou de promover um esforço maior na região por meio de atividades físicas. As incontinências são divididas em:

• Incontinência Urinária de Esforço (IUE) – Perda involuntária durante o esforço físico (tosse, espiro).

• Incontinência Urinária por Urgência (IUU) – Perda involuntária associada à urgência miccional.

• Incontinência Urinária Mista (IUM) – Perda involuntária associada ao esforço físico (tosse, espirro) e à urge-incontinência.


Milhares de pessoas que convivem com o quadro de escape de urina têm sua qualidade de vida comprometida, afetando o bem-estar físico, psicológico e emocional. De acordo com a Sociedade Brasileira de Urologia, a incontinência urinária atinge 35% das mulheres com mais de 40 anos, após a menopausa, e 40% das gestantes. Em escala global, aproximadamente 5% das pessoas apresentam o quadro

A incontinência urinária atinge 35% das mulheres com mais de 40 anos

O que é prolapso genital

Outro sintoma do enfraquecimento do assoalho pélvico inclui a sensação de “bola na vagina”. Essa disfunção recebe o nome de prolapso genital e ocorre quando há rebaixamento ou descida de um ou mais órgãos pélvicos, embora o mais comumente afetado seja a bexiga. Com o passar dos anos, o agravamento do quadro evolui para a saliência dos órgãos pela abertura vaginal, ocasionando dores, corrimentos, lesões e sangramentos em decorrência de atritos.

Os prolapsos genitais tornam as relações sexuais dolorosas, além de afetar em muito a qualidade de vida das mulheres, muitas vezes levando-as ao isolamento social e, em alguns casos, à depressão.

Os principais tipos de prolapsos genitais são:

• Cistocele – A bexiga urinária aparece na face anterior da parede vaginal.

• Retocele – O reto desce sobre a face vaginal posterior.

• Prolapso uterino – Descida do útero, primeiramente o colo e depois o corpo uterino.

• Enterocele – Intestino delgado desce através do fundo posterior da vagina.


Fatores de risco para distopias genitais

O enfraquecimento dos músculos do assoalho pélvico ocorre devido ao processo natural de envelhecimento do corpo, principalmente, em pessoas que não estimularam a região corretamente ao longo dos anos. No entanto, isso não significa que qualquer exercício contribui para o fortalecimento da região. Exercícios físicos de alto impacto, como o crossfit e a corrida, causam maior pressão no local, resultando em perda de tônus muscular. Muitas atletas, por considerarem normal a perda de urina durante as atividades, acabam adiando a visita médica, diminuindo a sua qualidade de vida e agravando uma condição que se resolveria com algumas sessões de fisioterapia quando descoberta em seu estágio inicial.

A gravidez e o parto vaginal também favorecem o desenvolvimento dos quadros de incontinência e distopias genitais, pois sobrecarregam os mecanismos de sustentação do assoalho pélvico, podendo até mesmo causar lesões graves no local.

O histórico de partos é importante fator para a condição: estima-se que 50% das mulheres que enfrentaram mais de um parto apresentam algum grau de distopia genital.

Outros fatores que contribuem para o quadro de distopia genital incluem:

• Obesidade.

• Tabagismo.

• Esclerose múltipla.

• Deficiência de colágeno: genético, tabagismo, menopausa.

• Lesões durante uma histerectomia (remoção do útero) ou outro procedimento cirúrgico.

• Condições que aumentam a pressão abdominal, como tosse crônica, obstipação crônica e exercícios físicos intensos.


Tratamento para a incontinência

A escolha do tratamento mais adequado para a incontinência urinária ou fecal dependerá do tipo apresentado pela paciente: urgência, esforço ou mista. Segundo estudo publicado no International Urogynecology Journal, 90% das mulheres incontinentes que passam por fisioterapia obtêm bons resultados e não precisam de cirurgia ou de medicamentos.

Os exercícios de Kegel, incluídos nas abordagens terapêuticas, foram criados exatamente com esse fim e se baseiam na contração e descontração da musculatura da região. Além de ótimos resultados demonstrados em pesquisas, a fisioterapia também consta na diretriz de prática clínica baseada em evidências do American College of Physicians, publicada no Annals of Internal Medicine.

O Centro de Incontinência Urinária e Doenças do Assoalho Pélvico do Hospital e Maternidade Santa Joana conta com uma dedicada equipe de fisioterapeutas especialistas no assunto pronta para ajudar cada vez mais mulheres a criarem consciência sobre seus próprios corpos e, assim, melhorarem sua qualidade de vida.

Em nosso tratamento, indicamos que as abordagens terapêuticas devem ser combinadas a um estilo de vida saudável, o que inclui prática de exercícios físicos e dieta alimentar equilibrada.

Tratamento para o prolapso genital

Metade dos casos de distopias genitais são resolvidos com fisioterapia, importante aliada da consciência corporal. Contudo, quando o prolapso é bem visível e compromete a realização de atividades diárias pela paciente, recorre-se à cirurgia. Por ser um procedimento minimamente invasivo, com o mínimo de dano ou risco à integridade física, a recuperação é tranquila: em quatro semanas as atividades sexuais podem ser retomadas e, e em seis, todas as atividades são reestabelecidas. O principal: a paciente sai da cirurgia continente.

Para as cirurgias, o Centro de Incontinência Urinária e Doenças do Assoalho Pélvico utiliza toda a estrutura do Hospital e Maternidade Santa Joana, especializado na realização de cirurgias ginecológicas, incluindo uma moderna UTI adulto.


Buscando ajuda

Embora frequentes, as distopias genitais muitas vezes causam vergonha e, por esse motivo, são subnotificadas. Graças a sua estrutura especializada, o Hospital e Maternidade Santa Joana tem profissionais capazes de promover uma grande e rápida mudança na vida das mulheres acometidas pela doença.



O Centro de Incontinência Urinária e Doenças do Assoalho Pélvico atende às pacientes para avaliação, diagnóstico e tratamento. Localizado em conjunto com o Centro de Diagnósticos, conta também com uma completa estrutura de exames – incluindo o estudo urodinâmico, que simula e avalia as condições de armazenamento e esvaziamento da bexiga.

Algumas informações são importantes o profissional que irá lhe atender. Para entender melhor a sua situação e ajudar na sua consulta, preparamos um guia. Confira:

Você tem escape de urina? S() N()

Você sente uma bola na vagina? S() N()

Está insatisfeita com a vida sexual? S() N()

Algo mudou após o parto? S() N()

Você sente-se sozinha e tem vergonha de falar sobre esse assunto com as pessoas ou mesmo com profissionais de saúde? S() N()

Caso tenha respondido “sim” à maior parte das perguntas acima, agende uma consulta. O Centro de Incontinência Urinária e Doenças do Assoalho Pélvico do Hospital e Maternidade Santa Joana pode acolhê-la e ajudar na solução de seus problemas, para retomada de uma vida saudável e equilibrada.

Agende uma consulta no Centro de Incontinência Urinária e Doenças do Assoalho Pélvico

Central de agendamento
(11) 5080-6070.

Horário de agendamento
De Segunda-feira à Sexta-feira, das 7h às 20h, exceto feriados.

Horário de agendamento
De Segunda-feira à Sexta-feira, das 7h às 20h, exceto feriados.
Sábados, das 7h às 13h.

Horário de funcionamento
Segundas-feiras, das 13h às 18h.
Quintas-feiras, das 12h30 às 15h30.
Sextas-feiras, das 13h às 18h.

Endereço
Rua Vergueiro, 1061, 4º andar - São Paulo.