Imprensa

Tamanho do Texto:

Novidades do mês de Julho 2015

01/07/2015

LÁBIO LEPORINO E FISSURA PALATINA: TRATAMENTO CIRÚRGICO PRECOCE

Uma realidade segura e eficaz

A fissura labial, conhecida popularmente como lábio leporino, associada ou não à fissura palatina (palato fendido) pode ser causada por diversos fatores e dificilmente tem sua causa identificada. O fator hereditário corresponde a 7% dos casos. As deformidades podem ser somente do lábio, do palato ou as duas associadas, podendo ser uni ou bilateral. A deformidade do nariz está presente em todos os casos de fissura labial.

Aos três meses da gravidez, o lábio e o palato estão totalmente formados. De acordo com o dr. Sergio G. Almeida, cirurgião plástico do Hospital e Maternidade Santa Joana e da Maternidade Pro Matre Paulista, as fissuras não seriam malformações, mas sim uma parada no desenvolvimento da região labial ou palatina do embrião. Dessa forma, como as estruturas já estão constituídas, é possível a reconstrução (fechamento), não havendo necessidade de trazer tecidos de outras áreas.

A incidência dessas patologias é de aproximadamente um em 900 partos. A ocorrência do lábio leporino é maior no primeiro filho e nos meninos, enquanto as fissuras palatinas isoladas são mais frequentes nas meninas.

A cirurgia do lábio é fundamental pois permite a reconstituição de toda a espessura e função do mesmo (sucção). O bebê nasce com a defesa imunológica da mãe (anticorpos) e após avaliação clínica do neonatologista pode ser submetido à correção labial nas primeiras 48 horas de vida, sendo essencial que a cirurgia ocorra no mesmo hospital do nascimento.

Caso a cirurgia precoce não ocorra, o bebê poderá ser tratado aos três meses de idade, quando ele mesmo já tiver formado seus anticorpos. As condições clínicas de resistência do recém-nascido sadio são semelhantes às condições aos três meses de idade.

“Ao avaliarmos o recém-nascido, sempre oferecemos as duas opções à família, mas em nossa experiência, mais de 90% dos pais optam pelo tratamento precoce”, afirma o especialista. Essa cirurgia é praticamente indolor, não interferindo no estado geral da criança. A morbidade cirúrgica é mínima, mesmo nos casos mais graves.

O Grupo Santa Joana conta com uma equipe de anestesistas especializados em recém-nascidos, UTI pós-cirúrgica específica, neonatologistas e enfermeiras experientes que permitem total segurança para as cirurgias precoces realizadas nesses bebês.

SAIBA MAIS SOBRE LÁBIO LEPORINO E FISSURA PALATINA

- A deformidade nasal é corrigida na primeira cirurgia nos unilaterais e após um ano nos bilaterais.

- As cirurgias corretivas do palato são realizadas após um ano de vida

- A patologia fissura lábio-palatina não traz riscos de vida para o paciente, apenas cuidados específicos, como a maneira de alimentar

- A existência de malformações associadas é que podem acarretar riscos

- A reparação cirúrgica pode ser realizada em qualquer idade, mas quanto mais cedo, melhor.

- A amamentação materna é prioritária e quando a cirurgia é realizada precocemente, após o décimo dia a criança já pode sugar no peito. Até então, deve ser alimentada com conta-gotas de leite materno. Quando não ocorre a cirurgia precoce, dificilmente a criança pode sugar o peito.

- Pequenas imperfeições da cicatriz labial e da forma nasal são tratadas após um ano de idade, tanto na cirurgia precoce, quanto na realizada após os três meses.


Voltar

Prezado jornalista, entre em contato com a nossa assessoria de imprensa Máquina da Notícia. Os telefones são:

Bruna Sales

Tel.: (11) 3147-7423

Cel.:(11) 94836-6956

bruna.sales@maquinacw.com

Camila Duran

Tel.: (11) 3147-7929

camila.duran@maquinacw.com

Renata Asprino

Tel.: (11) 3147-7389

Cel.: (11) 98644-4740

renata.asprino@maquinacw.com